Brasil Insights

Tudo é propaganda: ambiente contemporâneo desafia comunicação das marcas

Dora Camara

diretora comercial, Kantar IBOPE Media

Marcas e Propaganda 05.06.2017 / 04:00

information-overload-excesso-informacao

Conectividade e multimeios fazem publicidade parecer onipresente e o excesso pode incomodar os consumidores

Nos acostumamos com a presença da internet tão rápido que parece que ela esteve sempre por aí, mas isso não é verdade. A web brasileira acaba de se tornar uma jovem adulta, disponível para o público há pouco mais de 20 anos. Nessas últimas duas décadas, a conectividade foi se tornando praticamente onipresente: segundo dados do Target Group Index, 73% dos brasileiros já possuem acesso à web. Juntamente com a conectividade, a popularização de diversos tipos de dispositivos ajudou a nos transformar em uma nação que consome conteúdo por diversos meios, tanto online quanto offline, e por vezes até mesmo de forma simultânea em dois meios diferentes.

Fomas -consumo -meios

Essas mudanças trouxeram novas visões sobre a comunicação, especialmente a propaganda. Segundo o Dimension, estudo global da Kantar Media, hoje quase todo tipo de ação de comunicação realizada por empresas e por marcas é percebida como publicidade. Nem mesmo os resultados de busca se safam: 52% dos entrevistados acreditam que eles são hoje uma forma de publicidade.

Formas -publicidade

Os consumidores também se mostram mais atentos: 85% dos adultos conectados indicaram que conseguem perceber que estão recebendo mensagens de marcas através de campanhas multimídia ou multiplataforma. Ou seja, essas ações estão sendo reconhecidas e identificadas como propaganda, por mais orgânicas ou mais integradas ao meio que elas sejam.

Essa percepção, contudo, não impacta na receptividade do público às campanhas publicitárias. Ainda segundo o Dimension, 68% dos adultos conectados gostam ou toleram anúncios publicitários. Dentre os consumidores assíduos de mídia online são mais favoráveis à publicidade do que o público geral (77% ao menos toleram anúncios).

Além disso, o público brasileiro, especificamente, tem uma grande sensação que a publicidade está mudando para melhor: 62% dos brasileiros concordam com essa afirmação, bem mais que os 36% percebidos globalmente.

Com isso, fica a pergunta: por que, então, cresce o uso de adblockers, as ferramentas bloqueadoras de anúncios?

Qual a perceção da publicidade - melhorou ou piorou? - nos mercados globais e brasileiro

 

Repetição e excesso são riscos

A publicidade digital trouxe consigo vários benefícios e facilidades, como o monitoramento, a segmentação e a possibilidade do uso do retargeting. No entanto, o mal uso dessas técnicas pode causar mais dano do que benefício para as próprias marcas anunciantes.

Segundo os entrevistados pelo estudo Dimension,  71% concordam que alguns anúncios são excessivamente repetitivos. E 55% disseram frequentemente ver um anúncio de um produto que já compraram. Para Nick Emery, da Mindshare Global, no Reino Unido, o uso desavisado e mal planejado do direcionamento online tem consequências graves. “É como entrar em uma loja de departamentos e andar rapidamente pela seção de sapatos, olhando para eles e dizendo que você gosta muito deles, e depois ter um vendedor correndo atrás de você pela loja, lhe dizendo para compra-los”, explica ele, usando uma analogia.

Essa falta de profundidade, de contexto de marca e de compreensão do consumidor podem levar o consumidor a fazer uso de práticas como o adblocking (uso de bloqueadores de anúncios).

Personalização e controle podem ser palavras-chave para publicidade contemporânea

Em 2015, nosso colega Nigel Hollis, analista-chefe global da Kantar Millward Brown, já dizia que uma das soluções para lidar com o bloqueio de anúncios era criar menos e melhor. Os resultados do Dimension apenas reforçam essa ideia, já que 66% dos entrevistados concordam que gostariam de ter mais controle sobre o que podem ver online.

Controle -anuncios

Além do controle, o consumidor quer ver relevância na comunicação que chega até ele, e se possível que ela seja customizada para as suas preferências: 64% dos entrevistados concordaram que preferem ser alcançados por anúncios que são relevantes para eles.

Anuncios -relevantes

“Se eu consegui mais uma venda redirecionando cinquenta vezes o anúncio, mas irritei centenas de pessoas no processo, essa venda extra valeu a pena? Provavelmente não”, provoca Toby Horry, da Tesco, no Reino Unido, destacando a importância de processos de personalização bem planejados e executados com cuidado.

Portanto, o desafio para as marcas e as agências é aproveitar ao máximo os meios digitais e os meios já estabelecidos para gerar vínculo com o consumidor, ao mesmo tempo balanceando a intensidade dessa conversa e tornando-a relevante. 

Fonte: Kantar Media, Kantar IBOPE Media

Nota da Editora

O Dimension é um estudo global da Kantar Media, que entrevistou 5 mil consumidores e 40 líderes do setor em cinco importantes mercados (Brasil, China, Estados Unidos, França e Reino Unido) para entender como a publicidade tem sido percebida pelos consumidores em uma era em que as mensagens estão cada vez mais fragmentadas entre distintos meios e plataformas.

O relatório completo do Dimension pode ser encontrado em kantaribopemedia.com.

Últimas Notícias

Com mais de 1,3 milhão de inscritos, Flamengo se torna líder em curtidas no Facebook entre os clubes brasileiros

Minimercados, voltados para compras que visam praticidade, vão ganhar espaço nos próximos anos

Até o momento, Brasil já soma ao menos 71 leões no Festival de Criatividade de Cannes

Confira dados do painel ComTech da Kantar Worldpanel

48% geralmente compram o que não (realmente) precisam, versus 34% dos consumidores hétero

Leia também