Brasil Insights

Pokémon Go: um sucesso retumbante

Jacqueline Lafloufa

Editora de conteúdo e insights na Kantar

Comportamento 15.07.2016 / 17:00

pikachu-pokemon

A ideia do app, que começou com uma brincadeira de 1º de abril, agora está levando multidões para parques e diferentes locais da cidade para capturar Pokémons

Anos atrás, o Google fez uma brincadeira de 1º de abril que permitia capturar Pokémons dentro dos mapas do Google Maps.  

Dois anos depois da “brincadeira”, vemos um sucesso retumbante do Pokémon Go, aplicativo desenvolvido pela Niantic Labs, empresa que surgiu dentro do Google, que permite que as pessoas busquem por Pokémons no mundo real e os capturem usando realidade aumentada.

Lançado em 6 de julho na Austrália, nos EUA e na Nova Zelândia – e, infelizmente, sem previsão de chegada no Brasil – o aplicativo rapidamente se tornou uma febre, e promete chegar em novos mercados, como Europa e Ásia, nos próximos dias. Se a popularidade que o aplicativo têm visto nos EUA também chegar à Europa, o continente pode se preparar para ver pessoas nas ruas buscando pelas pequenas criaturas do mundo Pokémon.

Segundo dados do painel de comportamento móvel da Kantar, nos EUA 10% dos usuários de Android já haviam utilizado o app Pokémon Go até o dia 10 de julho. Esse número hoje já chega quase aos 13%. “Isso é impressionante, ainda mais se considerarmos que o aplicativo foi lançado há menos de uma semana”, analisa David Wright, especialista em inovação mobile na Kantar.



Kantar
  • SAVE
  • Close

    SHARE THIS WITH FRIENDS

  • EMBED
    Close

O aplicativo Pokémon GO também foi a 10ª funcionalidade mais usada em smartphones Android. “E se você considerar todas as funcionalidades do sistema, como abrir a tela inicial, o aplicativo de captura de Pokémons apareceu logo depois do uso do Facebook, das buscas do Google e da agenda de contatos”, ele complementa.

Desafios e oportunidades

Uma das principais surpresas é ver um aplicativo do “mundo digital” levar pessoas para as ruas do “mundo real”. Várias localidades nos EUA, como o Central Park, estiveram lotadas de pessoas com os olhos grudados nos seus smartphones tentando pegar seus Pokémons.

 

Você pode ter uma ideia de quanto as pessoas caminharam ao ver as telas que elas compartilham nas redes sociais, mostrando o contador de passos ou de quilômetros percorridos.

 

Essa “desculpa” para sair e ver o mundo “real” também está fazendo maravilhas para as pessoas que sofrem de transtornos mentais, como depressão, ansiedade e agorafobia. Muitos deles estão compartilhando nas redes seus testemunhos sobre como o Pokémon GO ajudou a dar a eles um propósito para saírem de suas casas, inclusive tornando o passeio lá fora mais agradável. Estabelecimentos e comércios nos países onde o app está funcionando também têm aproveitado a oportunidade para fazer propaganda relacionada ao jogo, convidando as pessoas a entrarem, já que elas provavelmente podem encontrar um Pokémon novo dentro da loja ou restaurante.

Pokemon -paying -customers

"Pokémons são apenas para clientes"

Pokestop

"Parada Pokémon: entre e pegue suas pokébolas"

50c -off -pokemons

"50 centavos de desconto para treinadores Pokémon"

No entanto, junto com o enorme sucesso o Pokémon Go também está enfrentando alguns desafios. Usuários do aplicativo estão caminhando por aí sem prestar muita atenção e entrando em áreas pouco seguras na esperança de capturar um Pokémon. Pessoas mal-intencionadas também estão usando o aplicativo para encontrar mestres Pokémon por aí e roubá-los.

As pessoas ainda precisam descobrir como vão interagir com esse app na vida real sem se machucar ou ferir outras pessoas – seja física ou profissionalmente.

Pokemon -at -work

"Estamos pagando vocês para trabalharem, não para capturar personagens fictícios de vídeo game no seu celular o dia inteiro. Deixe para fazer isso no seu intervalo ou na hora de almoço. Caso contrário, você vai ter bastante tempo para “pegar todos eles” quando estiver desempregado."

A Niantic, empresa que desenvolveu o app, está gradativamente liberando o aplicativo para outras regiões do mundo, possivelmente para corrigir alguns dos bugs e fazer com que seus servidores sejam capazes de aguentar o tráfego de dados que eles devem receber nas próximas semanas, quando pretendem liberar o aplicativo para mais países.

No entanto, uma coisa é certa: a Niantic, em parceria com a Nintendo e o Google, encontrou um novo e revolucionário jeito de fazer com que as pessoas interajam com apps. 

Fonte: Kantar

Nota da Editora

*fonte das fotos: Inquisitr e divulgação da Niantic Labs
** O texto e o gráfico foram atualizados para refletir a proporção de painelistas que ativamente fizeram uso do aplicativo no dia da medição - anteriormente, a matéria citava porcentagens de 16% e 20%, que não refletiam corretamente a porcentagem de usuários ativos de apps que jogaram Pokémon Go, comparada com aqueles que não usaram o jogo.

Todos os dados publicados no Kantar Brasil Insights são públicos e podem ser utilizados livremente.  

Jornalista, se precisar de mais dados ou se quiser entrevistar algum dos nossos especialistas, por favor, entre em contato conosco.

Você também pode receber nossas novidades através da nossa newsletter, ou acompanhando nossas postagens no Twitter, no Facebook ou na nossa página no Linked In.

Últimas Notícias

32% dos usuários de internet em desktop que pretendem viajar de avião e já fizeram as suas reservas e acessaram sites de viagens nas últimas quatro semanas

Compradores ajustam consumo à estilos de vida, o que faz as marcas reavaliarem seus papéis na sociedade

Transtornos mentais como a depressão atingem 16% dos brasileiros

O mundo está sendo transformado. Nunca houve tantos desafios, mas também nunca houve tantas oportunidades.

Android continua líder na China enquanto o iOS ganha espaço nos grandes mercados europeus

Leia também