Brasil Insights

Tecnologia: vilã ou mocinha?

Eduardo Tomiya

Managing Director Latam

Comportamento 01.02.2017 / 09:00

mobile-trap-tecnologia-armadinha-smartphone

Será que estarmos cada vez mais plugados traz impactos negativos para as marcas associadas às telecomunicações?

Celulares, computadores, dispositivos de vestir... A vida parece infinitamente conectada nos dias de hoje. Eu mesmo, quando estou em casa, posso reparar o olhar de reprovação da minha esposa quando me vê respondendo à emails e mensagens no celular, ou andando para lá e para cá com meus dispositivos tecnológicos, que piscam, apitam e exigem a minha atenção.

Sabemos que a tecnologia surgiu para melhorar o dia a dia das pessoas. Você ainda se lembra como a vida era complicada antes do advento do email e do celular? Hoje conseguimos ser mais ágeis! Ao responder um email de trabalho no celular, podemos rapidamente nos liberar para brincar com os filhos ou passar mais tempo com a família.

No entanto, essa mesma tecnologia que em tantos momentos nos ajuda pode também vir a nos atrapalhar. Não é raro ver em restaurantes famílias inteiras sentadas à mesma mesa, mas todos com os dedos e o olhar grudados nas suas telinhas. Ou mesmo no metrô – já parou para reparar quanta gente está digitando freneticamente ou assistindo a vídeos entre uma estação e outra?

Essa “hiperconexão” já foi até retratada pelos noticiários ao comparar a Praça de São Pedro no dia do anúncio do Papa Bento XVI e do Papa Francisco. A diferença salta aos olhos: em 2005, muitas pessoas; em 2013, muitas pessoas e muitas telas:

vatican square 2005 2013

Fonte da foto: Instagram do Today Show

Essa dualidade da tecnologia, que dança entre os papéis de vilã e mocinha da contemporaneidade, pode ser uma interessante oportunidade para as marcas, que podem buscar umposicionamentoassociado à um uso mais equilibrado da tecnologia e da conectividade.

Para uma marca, se aliar à uma mensagem de marca mais “humana”, ainda que com firmes bases tecnológicas, ajuda a evitar que possíveis percepções negativas sobre a conectividade (como a perda de privacidade, a falta de equilíbrio entre vida profissional e pessoal, o embate entre a atenção para pessoas reais e para conexões virtuais) sejam eventualmente transferidas de maneira errônea para marcas que trabalham muito de perto com o setor tecnológico, como é o caso das marcas de telecomunicações e de dispositivos eletrônicos, como celulares, computadores e tablets.

Entender, revelar e implementar este posicionamento é o que aqui na Kantar Vermeer nós chamamos de ter uma “marca com propósito”. No nosso trabalho de consultoria, percebemos as tendências do momento atual (por exemplo, o excesso de conectividade) e recomendamos posicionamentos possíveis para que as marcas possam fazer o melhor uso das oportunidades que esse momento traz.

Nossos estudos mostram que, ter um posicionamento bem alinhado com a proposta da marca e com os anseios do público têm alto potencial de valorizar a marca, que chegam a crescer até 6x mais rápido em valor de marca quando possuem um bom alinhamento com propósitos:



Kantar
  • SAVE
  • Close

    SHARE THIS WITH FRIENDS

  • EMBED
    Close

 

LEIA TAMBÉM: 4 lições para construir a sua marca

Fonte: Kantar Vermeer

Nota da Editora

Quer utilizar o nosso gráfico em sua publicação? Basta clicar no símbolo </> EMBED no rodapé do gráfico e copiar o código para incorporar no seu site.

Precisa de mais dados ou quer entrevistar nossos especialistas? Entre em contato com a nossa editora.

Para ficar informado sobre novos dados e informações, assine a newsletter ou acompanhe a Kantar no Twitter, no Facebook ou no Linked In.

Últimas Notícias

Com mais de 1,3 milhão de inscritos, Flamengo se torna líder em curtidas no Facebook entre os clubes brasileiros

Minimercados, voltados para compras que visam praticidade, vão ganhar espaço nos próximos anos

Até o momento, Brasil já soma ao menos 71 leões no Festival de Criatividade de Cannes

Confira dados do painel ComTech da Kantar Worldpanel

48% geralmente compram o que não (realmente) precisam, versus 34% dos consumidores hétero

Leia também