Brasil Insights

A nostalgia esteve nos corredores da MWC17

Jacqueline Lafloufa

Editora de conteúdo e insights

Móvel 03.03.2017 / 10:00

MWC 2017 2 col

Nossos especialistas fazem um balanço do que foi a Mobile World Congress 2017

Houve muito mais buzz sobre a Mobile World Congress nesse ano, o que se refletiu nos corredores do evento, que estavam abarrotados de gente. "Nunca tinha visto isso acontecer na MWC antes", contou Mardiew Drew, uma das especialistas da Kantar que estava em Barcelona.

Bati um papo com os nossos experts em dispositivos móveis e esses foram, segundo eles, os principais destaques da maior feira mobile deste ano:

A nostalgia trouxe de volta alguns clássicos

Quem acompanha o setor de tecnologia pode brincar de túnel do tempo durante a MWC17. O sentimento de nostalgia esteve presente em muitos dos lançamentos, como foi o caso do retorno do Nokia 3310, uma versão atualizada do clássico da Nokia, conhecido no Brasil como um celular indestrutível. Lauren Guenveur, diretora global de insights de consumo do painel ComTech na Kantar Worldpanel, contou que adorou ter brincado com o jogo da cobrinha, o "Snake", clássico que fazia parte do 3310 original e que também está presente no seu relançamento.

 

A Motorola também trouxe de volta a campanha "Hello Moto", que foi usada inicialmente durante o lançamento do icônico celular de flip da Motorola. A campanha lança os smartphones Moto G5 e 5G Plus, que parecem muito similares ao G4, explica Guenveur.

A Blackberry também apresentou o seu Keynote, celular que traz o famoso teclado físico que muita gente estava acostumada a usar no BlackBerry. "Esse teclado também funciona como um track pad com atalhos, então, por exemplo, se você mantiver a tecla "F" pressionada, ela vai abrir o aplicativo do Facebook. É um telefone de alto padrão, que vai competir com o LG-G6 e com o Samsung S8. Para os super fãs da Blackberry, é exatamente o que você esperaria de um celular da marca", explica Guenveur.

Novos celulares com novas funcionalidades

Huawei, Samsung e LG também estiveram em destaque com lançamentos e demonstrações durante a MWC. A chegada do P10 mostrou que a Huawei cresceu bastante como marca e como empresa, com o P10 trazendo pequenas evoluções em câmera, design e velocidade. "É uma estratégia de baixo risco, mas que combina com o tipo de negócio da Huawei.

Como o próximo lançamento da Samsung, o S8, ainda está há algumas semanas de ser apresentado ao mercado, a marca focou em trazer o seu Tab S3 e o Samsung Book Hybrid. "O evento de lançamento destacou que os grandes fabricantes sabem que existe uma vida útil limitada para os tablets - e cada vez mais a Samsung está correndo atrás da parcela de mercado que está buscando a substituição de laptops e PCs, oferecendo tablets cada vez mais poderosos e com novas capacidades. O Tab S3, por exemplo, se posiciona como o melhor dispositivo para consumo de mídia, com tela sAMOLED e sistema de áudio AKG, mas também como um aparelho que pode ser usado para criatividade e produtividade com o uso da S Pen, caneta criada pela Samsung e que se mantém como uma parte importante da experiência que os consumidores estão buscando", analisa Dominic Sunnebo, diretor global da unidade de negócios ComTech na Kantar Worldpanel.

Já a LG trouxe o G6, um dispositivo bonito e com tela de 5,7''. "Para se ter uma ideia, o Samsung Note original tinha uma tela de 5,3'', o que nem é considerado o equivalente de um "phablet" (phone + tablet) hoje em dia. No entanto, na época do seu lançamento, o aparelho chegou a ser alvo de piadas", contextualizou Sunnebo.

 

Inteligência Artificial cada vez mais afiada

O LG G6 foi o primeiro telefone que não é da linha Pixel que traz um assistente do Google. Segundo Lauren Guenveur, é um assistente que emula bastante uma conversação. "Eu primeiro perguntei [para o assistente do celular] sobre o tempo, depois adicionei 'e amanhã?', e ainda disse 'você pode me mostrar isso em Fahrenheit?'. O assistente soube o tempo todo que eu ainda estava falando sobre a mesma pergunta que fiz no início".

Mas nem sempre é fácil mostrar o uso de inteligência artificial em dispositivos. "Vimos stands como a IBM mostrando o Watson, que é basicamente sobre aprendizado de máquinas (machine learning) e inteligência artificial. Essas tecnologias podem ser importantes no futuro para ajudar a compreender diferentes padrões e bases de dados de forma muito mais veloz, ou enxergar tendências e padrões que não são possíveis de serem percebidas pelo olho humano", complementa Mardien Drew.

De olho no futuro

Essa também foi a primeira vez que Mardien Drew viu drones na MWC, que foram mostrados ao público em diferentes situações, inclusive no stand da Kantar, mostrando como drones poderiam ser usados na coleta de dados. "O buzz sobre drones é realmente interessante porque ele faz com que as pessoas pensem fora da caixa e imaginem diferentes modos de coletar dados", explica Drew. "Não sabemos ainda como isso poderá ser usado hoje, mas no futuro é bom manter a mente aberta sobre como as novas tecnologias podem se tornar comuns dentro de uma década", complementa ela.

No final, uma das grandes conclusões da nossa equipe é que já não se trata mais apenas de novos dispositivos, mas muito mais sobre o que a tecnologia móvel poderá fazer.

Fonte: Kantar, Kantar Worldpanel

Nota da Editora

Precisa de mais dados ou quer entrevistar nossos especialistas? Entre em contato com a nossa editora.

Para ficar informado sobre novos dados e informações, assine a newsletter ou acompanhe a Kantar no Twitter, no Facebook ou no Linked In.

Últimas Notícias

Compra de espaço publicitário dos setores Farmacêutico e Administração Pública e Social conduziram o crescimento no período

Ambas as marcas, que hoje focam em lojas virtuais, anunciaram que estão se preparando para ter lojas físicas

Dados do ConsumerThermometer da Kantar Worldpanel mostram o que acontece com o consumo em meio às incertezas econômicas do Brasil

Marcas que observam as mídias sociais podem escolher usar menções e porta-vozes que fujam do lugar comum

Brasileiros ainda estão inseguros, mas têm esperança de melhoria no próximo ano

Leia também