Brasil Insights

Marcas com propósito são escudos contra crise

Eduardo Tomiya

Managing Director Latam

Marcas e Propaganda 21.08.2017 / 16:00

Brandz

Aprendizados dos 11 anos do ranking das marcas brasileiras mais valiosas

Em 11 anos de trabalho com o ranking das Marcas Brasileiras Mais Valiosas, alguns aprendizados vão ficando mais evidentes. Um dos que mais se destaca, a meu ver, é a importância da lealdade às marcas. Essa capacidade de fidelizar o consumidor é um dos principais ativos das empresas, pois protegem o valor das marcas em períodos desafiadores, como nas épocas de crise.

Ainda assim, até mesmo marcas extremamente fortes e valiosas podem sucumbir em meio a situações que fogem do padrão ético do mercado, como são os casos de escândalos de corrupção, que permearam diversos setores do Brasil nos últimos anos, afetando governos e também empresas. 

Abaixo destaco cinco tendências que percebi nessa década trabalhando com valoração de marcas, e que podem ser úteis para que executivos avaliem a saúde das marcas com que trabalham.

1. Reputação corporativa é parte importante do valor de uma marca

O mercado não perdoa empresas que falham em sua governança corporativa ao envolverem-se em processos ilícitos, ligados à corrupção. Essas situações oferecem um baque na reputação corporativa, o que faz com que os consumidores evitem comprar seus produtos ou serviços, e que investidores reduzam as apostas em ações dessas marcas ou empresas. Isso afeta diretamente o valor do negócio e, consequentemente, a valoração das marcas.

A Petrobrás é um exemplo do risco de não cuidar da reputação corporativa: entre os anos de 2010 e 2012, a marca foi a mais valiosa do país, avaliada nesse triênio em USD 9,7 bilhões, USD 13,4 bilhões e USD 10,6 bilhões de dólares, respectivamente. Esses calores nunca foram superados no ranking nestes 11 anos, e a marca chegou em 2017 sendo avaliada em UDS 719 milhões. A empresa sofreu com processos associados a corrupção e viu o valor das suas ações despencar de R$ 54 em maio de 2008, antes da crise financeira mundial, para chegar em míseros R$ 4,10 em janeiro de 2016, uma queda de 92%. No início de 2017, as ações da Petrobrás chegaram a ter leve recuperação (avaliadas em R$ 13) o que mostra um sinal positivo. 

2. Marcas de bens de consumo não duráveis sobem ao ranking impulsionadas pela classe média

Desde a implantação do Plano Real em 1994 a classe média, representada principalmente pela classe C, com 114 milhões de Brasileiros em 2015, saltou de 33% da população para mais de 50% nos dias de hoje. Essa população impulsionou o consumo de bens de consumo não-duráveis (FMCG), como alimentos, bebidas, produtos de higiene pessoal e produtos de limpeza. Com isso, marcas deste segmento como Skol, Brahma, Antarctica e Bohemia, da AB Inbev, Sadia e Natura, têm configurado entre as 10 mais valiosas nestes 11 anos. 

3. Foco no consumidor ajuda a pautar estratégias de negócio

Marcas com propósito centrado no consumidor, que são orientadas para não apenas atender necessidades, mas superar expectativas, normalmente se destacam da concorrência com inovação, criando com isso uma vantagem competitiva.

A Skol, a marca mais valiosa do Brasil por 5 anos consecutivos (2013 a 2017) e a mais valiosa da América Latina entre 2015 e 2016, é um bom exemplo desta estratégia: há consistência em seu posicionamento, que aposta em um público mais jovem, disposto a adotar uma marca para a vida toda. A Skol tem também patrocinado festivais de música para este público, o que tem fortalecido a sua relação com o mesmo. Outra marca com este posicionamento é a rede de farmácias Raia Drogasil, que tem inovado ao criar, por exemplo, a figura da consultora de beleza em suas lojas, oferecendo um serviço diferenciado em relação a concorrência e que vem sendo percebido positivamente pelos investidores da bolsa de valores e pelos consumidores: a marca Drogasil cresceu 122% em 2017, passando para USD 624 milhões, e a marca Raia cresceu 125%, para USD 481 milhões. 



Kantar
  • SAVE
  • Close

    SHARE THIS WITH FRIENDS

  • EMBED
    Close

4. Marcas ícones ganham pontos no longo prazo

São consideradas marcas ícones aquelas que têm fortes laços com a população e exploram atributos emocionais que são altamente associados às necessidades locais. O banco Bradesco é um forte exemplo de ícone local. Sendo tradicionalmente um banco voltado para a classe média, ele tem ampliado a sua estratégia de marca para a população de baixa renda, criando desta forma um vínculo emocional por ser considerado um banco de “portas abertas” para todos os públicos. Isso tem refletivo positivamente no seu valor de marca: o banco é a marca mais valiosa do Brasil nesses 11 anos do ranking BrandZ brasileiro, a 2a marca mais valiosa em 2017 e a marca de banco mais valiosa por 5 anos consecutivos.

5. Sua marca é seu melhor seguro em tempos de crise

Marcas são uma espécie de seguro contra períodos de crise financeira e geram valor para os acionistas. Em 2008, o mundo sofreu uma das piores crises financeiras da história, iniciada nos Estados Unidos com o colapso da bolha especulativa no mercado imobiliário e a falência do banco de investimento Lehman Brothers. Como resultado, a bolsa de valores de São Paulo encerrou 2008 com uma queda de 41%. Já o valor total das marcas brasileiras mais valiosas em 2009 (data-base 2008) decresceu apenas 7% em dólar, uma evidencia de que as marcas ajudam a proteger o valor do acionista em períodos de crise. Já em 2017 (data-base 2016) o valor total das 50 marcas mais valiosas (para efeito de comparabilidade com 2016) cresceu 70% em dólar, enquanto o Ibovespa cresceu 38.9%, demonstrando que marcas fortes e valiosas geram ganhos superiores à média de mercado, garantindo um retorno ainda maior.

Fonte: Kantar Vermeer, Kantar Millward Brown

Nota da Editora

Veja todas as matérias sobre BrandZ

Últimas Notícias

Dentro ou fora de casa, 24 horas por dia, 7 dias por semana

Cai busca por alisamentos dos fios e mulheres se mostram mais felizes com cabelos ao natural

Enquanto isso, a chinesa Xiaomi chega ao mercado europeu

Consumidores mais conectados e engajados demandam maior integração na indústria

Fenômeno das ‘notícias falsas’ afetou a reputação das mídias sociais como fontes de informação

Leia também