Brasil Insights

Representatividade trans: ganham as marcas que são autênticas

Maura Coracini

Head of Digital&Media

Marcas e Propaganda 24.06.2019 / 00:00

LGBT Rainbow

Muitas marcas ainda tratam a questão de gênero de forma binária e não entendem o assunto como um espectro.

Muitas marcas atualmente ainda tratam a questão de gênero de forma binária e não entendem o gênero como um espectro. No entanto, o mês de junho, no qual é celebrado o Dia do Orgulho LGBTQ+ (28/6), acaba trazendo à luz essa questão de forma mais proeminente e acaba por incentivar que muitas empresas resolvam incluir outros desses gêneros em sua publicidade, como homens e mulheres trans.

Apesar de louvável, tal tática acaba levantando sobrancelhas questionadoras da comunidade LGBTQ+: esse tipo de posicionamento faz parte da identidade da marca ou é apenas uma tentativa desesperada de conquistar o famoso “pink money”?

“Nem todas as marcas vão querer abordar diretamente o gênero como um espectro, ou ter permissão para isso, mas outras podem se sentir capazes de levantar essa bandeira e usá-la como um ponto de diferenciação e identidade para a marca”, afirma Maura Coracini, líder da área de Mídia & Digital da Kantar e responsável pela condução do estudo AdReaction – Getting Gender Right, sobre a representatividade de gêneros na publicidade. “As marcas que escolherem entrar nesse território e abordar a questão da diversidade de gêneros em suas comunicações, precisarão fazê-lo de maneira autêntica e responsável, não apenas para “surfar nessa onda” ou como um meio de exploração para criar engajamento e discussão.”

Segundo a análise da Kantar, campanhas que abordam o assunto de forma autêntica, apresentam uma performance melhor com as mulheres, por exemplo. “Isso pode ser um sinal de que elas estão mais receptivas às marcas que estão atentas e quebrando paradigmas na questão de diversidade de gêneros”, diz Maura.

Dois exemplos de propagandas analisadas que tinham protagonistas trans e performaram melhor entre as mulheres foram da L’Oreal Paris, Being a Woman, e Magnum, Be true to your pleasure.

Recomendações para uma representação correta do público trans 

O AdReaction também reuniu algumas recomendações para marcas que queriam se posicionar e dar uma representatividade maior ao público trans e mesmo outros grupos da comunidade LGBTQ+:

  • Seja ousado e desafie a publicidade que vem sendo produzida no seu mercado;
  • Verifique se você não está ofendendo mesmo que inconscientemente;
  • Desafie suposições e estereótipos ultrapassados;
  • Faça um trabalho contínuo, que ultrapasse o mês de junho, e que agregue e gere valor internamente e externamente;
  • Se posicione! Se esse for o território da sua marca.
  • Análise e esteja atento aos resultados e respostas a esse tipo de posicionamento.

Clique aqui para conferir o relatório completo do AdReaction – Getting Gender Right.

 

 

 

 

Fonte: Kantar

Últimas Notícias

Com mais de 21 milhões de inserções, o semestre apresenta crescimento de 7%

45% das famílias usam o método para compras de FMCG na América Latina

O NeedScope analisou pais como Ned Stark de Game of Thrones e Ross Geller de Friends

Na era da informação, a dificuldade de entender a quantidade de dados à nossa disposição pode acabar nos devorando

A instabilidade política e econômica continua impactando a performance das categorias de consumo massivo

Leia também