Brasil Insights

Como a crise hídrica mudou o comportamento dos brasileiros

Política 24.03.2016 / 08:00

Menos banho, mais consciência

Desde maio de 2014, o sistema Cantareira, responsável por abastecer 8,1 milhões de pessoas, operava com a chamada "reserva técnica". Trata-se de um reservatório abaixo das comportas das represas da Cantareira, que passou a ser utilizada para atender a população a partir do momento em que os níveis da represa ficaram criticamente baixos. Essa reserva técnica, também conhecida como "volume morto", fazia com que o sistema Cantareira operasse "no vermelho".

Dada a crítica situação da represa, o governo estadual insistiu para que a população diminuísse seu consumo de água. Dados da Kantar IBOPE Media mostram que as campanhas do Governo de São Paulo pedindo a redução do uso de água alcançaram 16 milhões de habitantes apenas durante o primeiro semestre de 2015. "Esse número equivalente a 82% da população, sendo que cada indivíduo foi impactado por um comercial do governo sobre a crise da água em média 17 vezes”, comenta Rita Romero, diretora executiva do Monitor da Kantar IBOPE Media. (1)

snack_cantareira

snack_governo

Mesmo assim, a crise da água avançou, deixando a população com torneiras secas e períodos de não-abastecimento de água. A situação era ainda mais crítica entre os residentes da Grande São Paulo. Nessa região, 34% da população declarou sofrer diariamente com a falta de água, bem mais do que na Grande Rio de Janeiro (7%) e no Norte e Nordeste (6%), conforme pesquisa da Kantar Worldpanel.

Ainda que a seca fosse mais evidente na região metropolitana de São Paulo, o Brasil inteiro enfrentou uma crise hídrica: 45% dos brasileiros lidaram com falta de água em algum momento, 29% viram suas torneiras secas 2 vezes por semana e 7% disseram ter ficado sem água todos os dias da semana. As regiões mais periféricas e lares de baixa renda foram os que mais sofreram - dentre as classes D/E, 32% precisaram lidar com racionamento de água 2 vezes por semana, e em 12% o racionamento foi diário (2).

snack_faltou_agua

Atendendo ao insistente pedido do governo, e também devido à indisponibilidade de água nas suas residências, 77,5% dos brasileiros passaram a ajustar o consumo de água (3) e 70% passaram a tomar banhos mais curtos. Entre 2014 e 2015, a proporção de banhos de até 5 minutos aumentou bastante, chegando a responder por 38% da média de tempo gasto com uma chuveirada (2).

A frequência de banhos também foi afetada. Antes da crise hídrica, os brasileiros tomavam em média 2 ou mais banhos por dia. Agora, estão tomando 13,8 banhos por semana, ou cerca de 2 banhos a menos por semana. Entre os paulistanos, a média é ainda menor: 12,5 banhos por semana (2).

snack_frequencia_banho

Com essa redução no tempo e na frequência de banhos, a Kantar Worldpanel também detectou uma queda no consumo de produtos de higiene. Houve queda no consumo de produtos usados para a lavagem dos cabelos, como shampoo e condicionador, e também do sabonete em barra. No mesmo período, houve também aumento no uso de desodorante, em especial o formato aerossol, já que ele ajuda a evitar a transpiração, refresca e protege por mais horas (4) “O consumidor se adaptou ao momento, buscando opções do mercado que permitissem superar o momento de crise com maior conforto possível”, explica Christine Pereira, diretora comercial da Kantar Worldpanel.

Snack _banhos _curtos

Economia e reuso

Além de restringir os banhos, o brasileiro tem evitado o desperdício e encontrado formas de reutilizar a água dentro de casa. Ainda que estejamos entre os países com grande hábito de escovação dental, 83,4% dos brasileiros garantem que nunca deixam a torneira aberta enquanto escovam os dentes (5). Os entrevistados pela Kantar Worldpanel e pelo IBOPE Inteligência, empresa associada à Kantar, também relataram estar tomando cuidado para usar a capacidade máxima das suas máquinas de lavar, evitando ou diminuindo a frequência de lavagens de quintais, carros e motos, bem como encontrando formas de reutilizar a água da casa, como a utilizada pela máquina de lavar.

Outra preocupação do brasileiro foi o de reduzir o consumo de energia elétrica. Como boa parte da energia do país é gerada em hidrelétricas, a conta de luz também aumentou, o que fez com que muita gente passasse a prestar mais atenção no consumo das suas casas e condomínios. Dentre os entrevistados, 69,9% disseram ter substituído as lâmpadas da sua casa por versões mais econômicas, como a lâmpada de LED, 52% alegaram redução no uso de eletrodomésticos e 51,2% tiraram aparelhos eletrônicos da tomada, para evitar o consumo de energia no modo "stand-by" (2).

160324-water -animation

Água no futuro

O que se pode depreender dos dados coletados é que as pessoas entendem que precisam mudar alguns comportamentos, mas elas também esperam apoio. Quando os paulistanos foram questionados pelo IBOPE Inteligência sobre quem seriam os responsáveis pela grave crise hídrica enfrentada pela cidade em 2015, 45% apontaram que quem deveria ser responsabilizado era o governo estadual, 19% acreditam que a Sabesp deveria tomar alguma atitude e apenas 10% vê a população como responsável pelo problema (6). A falta de chuvas, tida por especialistas como um dos principais fatores que ajudaram o sistema Cantareira a sair do vermelho, foi apontado como a causa do problema por 18% dos entrevistados.

Mesmo não se vendo como principais responsáveis por resolver a crise da água, os brasileiros estão fazendo o que podem para ajustar seus hábitos não desperdiçar água no seu cotidiano. No monitoramento global da nossa The Futures Company, 48% dos brasileiros declararam que levar um estilo de vida mais ambientalmente consciente é uma das suas prioridades, taxa maior do que a média global, de 45%. Além disso, 51% da população do Brasil declarou ter reduzido o consumo de recursos - como uso menos frequente de ar condicionado, apagar as luzes ou usar menos água -, taxa também maior que a média global, de 43% (7).

Snack _responsavel

Ou seja, as atitudes do brasileiro estão mudando. Com a chegada de mais chuvas e a economia de recursos, a Cantareira finalmente saiu do volume morto em dezembro de 2015. Mas será que isso é o suficiente para garantir que continuaremos a ter água disponível no futuro?

Fonte: Kantar, Kantar IBOPE Media, Kantar Worldpanel, Kantar Futures, IBOPE Inteligência

Nota da Editora

Jornalista, se precisar de mais dados ou se quiser entrevistar algum dos nossos especialistas, por favor, entre em contato conosco.

Você também pode baixar o infográfico completo nesse link.

Gostou do conteúdo? Receba nossas novidades através da nossa newsletter, ou acompanhando nossas postagens no Twitter, no Facebook e na nossa página no Linked In.

Metodologias:

(1) Kantar Ibope Media. VideoTrack: dados de janeiro a junho de 2015.

(2) Kantar Worldpanel. LinkQ, dados de abril de 2015, que analisaram 965 lares expandidos para representar a população brasileira.

(3) Kantar Ibope Media. Target Group Index, dados de agosto de 2014 a setembro de 2015.

(4) Kantar Worldpanel. Usage data, dados referentes à 2014. São entrevistadas 4 mil pessoas todos os anos.

(5) Kantar Ibope Media. Target Group Index, dados de agosto de 2014 a setembro de 2015.

(6) IBOPE Inteligência. Pesquisa realizada em SP, com 1512 entrevistas, entre 30/11/2015 e 18/12/2015.

(7) The Futures Company. Global Monitor 2015. Foram entrevistadas 1527 pessoas, 320 delas em entrevistas ao vivo e 1207 via web.

Últimas Notícias

Confira as descobertas de uma análise conduzida pela Kantar, nos Estados Unidos, sobre a situação da tecnologia na saúde.

Experiência, imediatismo, influência, autenticidade, nicho e credibilidade na jornada de compra na Terceira era do Consumo

Como a nova era do consumo impacta os rumos do mundo conectado? Essa é a E.R.A de experiências, relacionamentos e algoritmos

Os Centennials representam 32% da população brasileira e estão se tornando uma potência econômica com influência crescente nos gastos e na fidelidade às marcas

Apesar do resultado superficial para o iOS não impressionar, o iPhone top de linha foi o mais vendido do mercado britânico