Brasil Insights

Estaria a Apple apostando no jogo da economia comportamental?

Nigel Hollis

VP Executivo e Analista Chefe Global

Móvel 04.12.2017 / 06:00

iPhone_X_comtech-dados-antes-do-lancamento-na-europa

Apostar em iPhone X a custo elevado e manter o iPhone SE como opção de entrada pode ser uma clássica jogada de marketing

O iPhone X da Apple já é uma realidade – e não mais um rumor – e sim, ele tem reconhecimento facial, um design que inclui uma tela que vai de borda a borda e um processador significativamente mais veloz. Enquanto os comentaristas debatem se o iPhone X é realmente um “avanço desde o primeiro iPhone”, me parece claro que o objetivo primordial desse lançamento é criar um novo preço base para um grupo específico de iPhones.

A ancoragem de preços é um viés cognitivo bastante conhecido, no qual a percepção das pessoas sobre qual seria um valor mais barato é influenciado pelo maior valor conhecido por elas. No meu livro Brand Premium eu ressalto que o uso desse efeito de ancoragem no Golf, da Volkswagen. O lançamento de uma linha limitada de R32s a um preço substancialmente mais alto fez com que o preço de um GTI parecesse muito mais aceitável (devo destacar que o R32 agora foi substituído pelo R com um motor TSI de 2 litros ao invés de um V6 de 3,2 litros, mas o efeito de ancoragem é o mesmo).

Como foi apontado no artigo da Marketing Week, a Apple também está lançando os iPhones 8 e 8 Plus, que são essencialmente versões atualizadas dos iPhones 7 e 7 Plus de 2016, e que não possuem o design de tela de borda a borda presente no iPhone X. Isso faz com que a linha de iPhones chegue a um total de 8 modelos disponíveis. O iPhone X põe uma âncora no preço mais alto dos iPhones em 999 dólares, enquanto o SE se torna a opção mais acessível, custando 349 dólares. Isso é o tipo de estratégia descrita em manuais (se é que Brand Premium pode ser considerada um manual), visando garantir que uma marca pode ser o mais acessível possível (sem afetar as margens de lucro) e que irá sem dúvida colocar o iPhone em uma boa posição em mercados como a Índia e a China.

Apesar da diferença de propriedades e de funcionalidades entre o iPhone X e o SE serem óbvias, eu me pergunto se o custo-benefício entre os modelos intermediários fica claro o suficiente. Um princípio chave de “subir” ou “descer” o branding é garantir que as pessoas estão abrindo mão de algo ao optar por um modelo mais econômico. Será que a recarga sem fio será suficiente para separar o iPhone 8 do 7? (Sim, eu sei que o processador é diferente, mas a não ser que a Apple consiga fazer com que essa diferença seja tangível, eu suspeito que ela não será o suficiente para fazer com que as pessoas mudem de ideia e comprem um modelo mais caro).

Eu tenho certeza de que muitas pessoas tinham altas expectativas para o iPhone X: o índice de “animação por ver o que eles vão fazer daqui em diante” em relação a Apple chegaram a incríveis 152 pontos no Reino Unido, 150 nos EUA e 135 na China. Mesmo que as novas funcionalidades não sejam suficientes para justificar um preço de 999 dólares, suspeito que a disponibilidade de iPhones mais baratos vai ajudar a manter vários potenciais compradores no mundo do iPhone, ao invés de permitir que eles pulem para o barco da Samsung

Fonte: Kantar Millward Brown

Últimas Notícias

Elas estão liderando e transformando a sociedade. Será que as marcas estão prontas para lidar com elas?

Básicos continuam sendo priorizados, mas opções premium têm espaço no carrinho

Juntas, as top 100 marcas mais valiosas dos EUA totalizam 3,16 trilhões de dólares

Retração do consumo é mais forte no Nordeste e no Interior de São Paulo

Racionalização e seletividade vão entrar no carrinho

Leia também