Brasil Insights

Oppo já é 2º smartphone Android mais vendido da China

Lauren Guenveur

Analista de Mobile Global de ComTech

Móvel 10.05.2017 / 15:00

oppo-imagem-divulgacao

Recém-chegada ao mercado, a Oppo aparece logo depois da Huawei como marca de smartphone Android favorita entre os chineses

Os dados mais recentes do painel Kantar Worldpanel ComTech revelam que no primeiro trimestre de 2017 a Apple continuou a ter crescimento na sua presença de mercado entre aparelhos smartphone, ainda que o relatório da empresa para os investidores não tenha alcançado as expectativas de vendas para o iPhones.

No Reino Unido, o iOS cresceu 5,6 pontos percentuais, chegando a representar 40,4% das vendas de smartphone no período. Nos EUA houve crescimento semelhante, de 5,2 pontos percentuais na comparação com o ano anterior, chegando a 38,9% da parcela dos smartphones vendidos no primeiro trimestre do ano.

Nesse período, a presença do iOS nas vendas de smartphones na China alcançou o seu menor patamar desde o segundo trimestre de 2014, representando atualmente 12,4% das vendas de smartphones naquele mercado. Isso significa uma queda de 9,1 pontos percentuais se comparado com o mesmo período de 2016. Ainda assim, o iPhone 7 se manteve como o dispositivo mais vendido da China urbana, representando sozinho 3,8% do mercado de smartphones chinês, mercado esse que tem se tornado cada vez mais fragmentado.

Dentro da parcela de vendas de aparelhos que rodam sistema operacional Android a Huawei continua na lidença na China urbana, representando 36% do total de smartphones Android no país. A Oppo, recém chegada ao mercado chinês, se tornou a segunda marca de smartphones Android mais vendida no país, abocanhando 13% das vendas. A Samsung (5% do mercado de smartphones) ficou na 6ª posição, atrás de marcas locais com Xiaomi, Meizu e Vivo. A grande vantagem da Oppo são suas lojas físicas, que respondem por 86% das suas vendas de smartphones, um grande contraste com o formato favorito de outras marcas, que costumam ter ao menos um terço das suas vendas feitas online.

Nos EUA, o Android representou 59,2% das vendas de smartphones, menos do que os 63,4% obtidos no mesmo período de 2016. Quem cresceu nesse meio tempo foi o iOS, saltando de 33,7% das vendas de smartphones em 2016 para 38,9% neste ano. O impacto negativo nas vendas de Android aconteceu pela menor venda de aparelhos da Samsung e da Moto, respectivamente a primeira e a terceira marca de smartphones Android mais vendidas no mercado norte-americano.



Kantar
  • SAVE
  • Close

    SHARE THIS WITH FRIENDS

  • EMBED

Ainda que as marcas chinesas estejam observando crescimento em regiões como EU5, América Latina e Índia, o mesmo não pode ser dito dos EUA, que continuam dominados pela Apple (39%), Samsung (30%), and LG (12%). O declínio da busca por smartphones Samsung possivelmente aconteceu devido à antecipação pelo lançamento do novo Samsung Galaxy S8, apresentado no dia 21 de abril. A expectativa é que tenhamos dados que reflitam as vendas do S8 nos próximos 60 dias, o que deverá nos mostrar se as vendas do S8 foram (ou não) impactadas pelos problemas que a Samsung enfrentou com o Note 7, ou se isso poderia influenciar positivamente as vendas dos iPhones 7 e 7 Plus.

2017-05_share -smartphone -os

Fonte: Kantar Worldpanel


Nota da Editora

Use o link acima para fazer download do press release. Você também pode aproveitar a interatividade do gráfico - basta clicar nas legendas para excluir ou incluir dados. 

Se quise utilizar o nosso gráfico em sua publicação, basta clicar no símbolo </> EMBED no rodapé do gráfico e copiar o código para incorporar no seu site.

 

Precisa de mais dados ou quer entrevistar nossos especialistas? Entre em contato com a nossa editora.

Para ficar informado sobre novos dados e informações, assine a newsletter ou acompanhe a Kantar no Twitter, no Facebook ou no Linked In.

Últimas Notícias

Básicos continuam sendo priorizados, mas opções premium têm espaço no carrinho

Juntas, as top 100 marcas mais valiosas dos EUA totalizam 3,16 trilhões de dólares

Retração do consumo é mais forte no Nordeste e no Interior de São Paulo

Racionalização e seletividade vão entrar no carrinho

Impacto pode ser sentido na queda do iOS e avanço do Android em mercados chave

Leia também